Pesquisar este blog

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

CARTAZ DA CF-2015


CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2015:

POR FREI GILVANDER MOREIRA


2.   Bases bíblicas e teológicas para a CF/15: Fraternidade e Sociedade, com o Lema “Eu vim para servir”.


Não esqueçamos: Javé, o Deus solidário e libertador, optou pelos pobres, ao ouvir o clamor dos oprimidos e descer para libertá-los (Cf. Ex 3,7-10) das garras do imperialismo dos faraós do Egito. As profetisas e os profetas da Bíblia fizeram opção pelos injustiçados ao denunciar as injustiças dos fazendeiros, do sistema monárquico, o ritualismo de muitos sacerdotes, ao desmascarar os falsos profetas, aqueles defensores da Teologia da Prosperidade. Optaram pelos empobrecidos ao consolar os aflitos (cf. Is 43,1-5) e ao incomodar os chefes da nação, como o profeta Miquéias que profetizou: “Ouvi, peço-vos, chefes e príncipes, vós que odiais o bem, e amais o mal, que arrancais a pele de cima dos pobres, e a carne de cima dos seus ossos. E que comeis a carne do meu povo, e lhes arrancais a pele, e lhes esmiuçais os ossos, e os repartis como para a panela e como carne dentro do caldeirão (Miq 3,1-3).”


Jesus de Nazaré optou pelos empobrecidos indo da solidariedade à luta pela justiça, o que lhe custou condenação à morte pelos podres poderes da época. Jesus anunciou e testemunhou um projeto de libertação integral. Em seu programa consta libertação política (libertação dos presos), social e econômica (evangelizar os pobres), restituição da visão (libertação ideológica), e “espiritual” (proclamação do Ano de Graça do Senhor). Isso em Lc 4,16-21, onde Jesus resgata o Jubileu Bíblico, que cultiva a utopia de reviver a experiência de fraternidade das origens camponesas, do tempo do deserto; recomeçar tudo de novo a partir dos oprimidos; refazer a História a partir dos injustiçados; resgatar as identidades que humanizam; conquistar justiça para os injustiçados a partir deles; redistribuir as terras dando-lhes função social; perdoar as dívidas interna e E(x)terna; redistribuir riquezas e rendas; restituir os direitos roubados, voltar a conviver de modo fraterno com a  nossa mãe Terra, que é nossa única casa.


As primeiras comunidades cristãs se organizaram a partir das casas (Oikia, em grego), comunidades locais, onde buscavam vivenciar um projeto coletivo para o bem comum de todos (At 2,42-47). Ao invés de acumular, partilhavam tudo o que tinham, o que sabiam, seus problemas e buscas comunitárias. Ao longo da História dos cristianismos “144 mil” foram martirizados, porque ousaram ser luz que incomoda o mundo de trevas dos sistemas que moem vidas, foram sal na terra incomodando a comida e se fizeram fermento que causa coceira na massa (cf. Mt 5,13-16).


Sob inspiração do Concílio Vaticano II e das Conferências dos bispos da América Afrolatíndia (1ª no Rio de Janeiro, 1950; 2ª em Medellín/Colômbia, 1968; 3ª em Puebla/México, 1979; 4ª em Santo Domingos/República Dominicana, 1992; e a 5ª em Aparecida/Brasil, 2005), a Igreja Povo de Deus, reunida nas Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) e nas Pastorais Sociais, com o respaldo e inspiração da Teologia da Libertação, milhares de pessoas cristãs doaram suas vidas na luta por reforma agrária, reforma urbana, em defesa dos Direitos Humanos e demonstraram compromisso com a construção de uma sociedade justa e solidária. Uma multidão de mártires ao longo de 514 anos de história de opressão no Brasil. Citamos alguns: Frei Caneca, Padre Henrique, Padre Ezequiel Ramin, Padre Josimo Tavares, Chico Mendes, Santo Dias, Margarida Alves, padre Gabriel, Irmã Dorothy Stang, Dom Oscar Romero, Eloy Ferreira, cristãos que se engajaram em sindicatos dos trabalhadores, no MST, na CPT, no CIMI, em muitos movimentos sociais populares e inúmeras pessoas anônimas que ao se posicionar contra as violências foram eliminadas fisicamente. Foram mortas, assim como o Galileu de Nazaré, mas estão ressuscitadas na luta. O exemplo de luta nos anima a seguir lutando coletivamente sendo luz, sal e fermento na sociedade.


2.1.             Pressuposto básico teológico: Deus na história e o divino no humano.


O Deus do cristianismo é um Deus da história, quer dizer, age nas entranhas dos fatos e dos acontecimentos. O Deus da vida, mistério de infinito amor, não faz mágica. Desde que Deus, por infinito amor à humanidade, se encarnou-se, o divino está no humano.


O Concílio de Calcedônia, no ano de 451, reconheceu Jesus Cristo com “natureza” divina e humana. O apóstolo Paulo reconhece que Jesus é o Cristo, filho de Deus, mas “nascido de mulher” (Gal 4,4), ou seja, humano como nós desenvolveu seu infinito potencial de humanidade. “Jesus, de tão humano, se tornou divino,” dizia o papa João XXIII.


“Não é ele o filho de Maria e Jose?”. Progressivamente, na Galileia, Samaria e Judéia, Jesus se revela, à primeira vista, em aparentes contradições, mas, no fundo, com tal equilíbrio que chama a atenção de todos. Assim, ele testemunha que Deus é mais interior a nós do que imaginamos. A mística “encarnatória” revela a pessoa humanamente divina e divinamente humana. “Quem me vê, vê o Pai”.


Jesus, antes de se tornar mestre, foi discípulo. Antes de ensinar, aprendeu muito com muitos: com Maria e José, com o povo da sinagoga, com os vizinhos, amigos, com os acontecimentos históricos, com a natureza etc.


Somos discípulos/as de Jesus Cristo, um jovem camponês, da periferia, que foi condenado à pena de morte pelos podres poderes da política, da economia e da religião. Somos discípulos/as de um mártir. Feliz quem não esquece a vida, o testemunho e o ensinamento dos mártires.


Destemido, o Galileu de Nazaré vai enfrentando todas as perseguições, convicto de que é profundamente amado pelo Pai – Deus, mistério de infinito amor que nos envolve – e que é amado e reconhecido pelos oprimidos e injustiçados.


Jesus não está mais na fase da priorização das ações de solidariedade. Ele, na convivência com os empobrecidos e lendo os sinais dos tempos e dos lugares, adquire a clareza de que o sofrimento que se abate sobre o povo é causado principalmente pelo imperialismo romano, pelos saduceus (grandes latifundiários da época que praticavam uma religião da Teologia da Prosperidade), pelos que comandavam o poder religioso, tipo padroado, que fazia sacerdotes privatizarem na prática o sistema de saúde ao cobrarem para atestar curas e, assim, excluíam os pobres, os doentes, as mulheres e os estrangeiros com a famigerada lei da pureza e da impureza, que dizia: Quem é rico e sadio é abençoado por Deus. Quem é pobre e doente é porque é pecador e Deus está castigando. Assim, privatizando Deus, faziam terrorismo religioso. Jesus, pelo seu ensinamento e práxis, vai questionando tudo isso e, consequentemente, atraindo sobre si a ira de todos os que se beneficiavam com o sistema opressor muito bem entrosado nos poderes político, econômico e religioso.


2.2       - Tarefas emancipatórias que a Dimensão Social da Fé Cristã exige de nós.


A Campanha da Fraternidade de 2015 – Fraternidade e sociedade – quer fortalecer a Dimensão Social da Fé Cristã, que, com os movimentos espiritualistas, volatilizadores e desencarnadores da fé cristã, anda meio atrofiada em muitos ambientes religiosos. Vamos elencar na reflexão, abaixo, uma série de tarefas que julgamos decorrer da Dimensão Social da Fé Cristã.


 


2.2.1 – Promover libertação integral.


Uma das tarefas das pessoas cristãs é lutar pela libertação integral das pessoas e de tudo e não apenas por libertação espiritual. No programa de Jesus, em Lc 4,16-21, consta uma libertação política (“libertar os presos”), social e econômica (“anunciar uma boa notícia aos pobres”), libertação ideológica (“restituir a visão”, e espiritual (“proclamar o Ano de Graça do Senhor”). Assim, Jesus resgata o Jubileu Bíblico (Lev 25,8-12). No ano do Jubileu, toca-se o “berrante” (em hebraico “sofar”), que acontece no primeiro ano após sete vezes sete anos. Neste Jubileu, todas as dívidas devem ser perdoadas; todas as terras devem voltar ao primeiro dono (aos ancestrais); todos os escravos devem ser libertados. Enfim, é tempo de se fazer uma reorganização geral na sociedade; tempo para recriar as relações humanas com fraternidade, justiça, solidariedade libertadora, reconciliação e novos sonhos.


 


2.2.2 – Acreditar na ortopráxis.


Outra tarefa é defender uma ortopráxis (= testemunho libertador), não uma ortodoxia (= opinião certa). O que de fato faz diferença não é tanto o que a gente pensa ou em que acreditamos, mas o que fazemos (ou deixamos de fazer). É hora de compromisso com o modelo de Igreja querido pelo papa Francisco: Igreja popular, justa e misericordiosa. Urge compromisso com outro projeto de sociedade, que seja justo, ecumênico e sustentável ecologicamente.


 


2.2.3 - Rever conceitos.


Verdade não é adequação de um conceito a um objeto. Isso é verdade formal. “Verdade é o que liberta todos e tudo”, diz o quarto evangelho da Bíblia. A verdade deve ser buscada conjuntamente. Ninguém é dono da verdade. Verdade como o que liberta deve ser buscada a partir dos pobres (últimos, pequenos, discriminados): pobre, excluído, sem terra, indígenas, negros, pessoas com deficiências, idosos, desempregados, homossexuais, mãe terra, irmã água, favelados, vítimas da violência etc.


É hora de perceber que a coisa mais sagrada é também profana. Profanar é retirar do uso exclusivo para dar acesso a todos. Pro-fanar vem do verbo grego faneo, que quer dizer “brilhar”. Ou seja, que o brilho do sagrado seja estendido a todos sem distinção e sem nenhuma discriminação. É hora de gritar “Não a todo e qualquer dualismo!” Não há separação entre espiritual e material, entre sagrado e profano, entre divino e humano, entre santo e pecador, entre puro e impuro etc. Tudo está intimamente relacionado.


Jesus não morreu na cruz porque Deus quis, mas foi condenado à pena de morte pelos podres poderes político-econômico e religioso.


Jesus doou sua vida por todos e tudo. Jesus testemunha um caminho de salvação, porque nos amou demais e não porque sofreu demais.


Jesus tornou-se Cristo, pois conseguiu desenvolver o infinito potencial de humanidade que cada pessoa traz consigo ao chegar a este mundo. “Jesus foi tão humano, tão humano, que só podia ser Deus”, disse o papa Paulo VI.


Milagre não é algo fruto de um poder extraordinário que está acima do humano. Milagre é uma maravilha de Deus, conforme diz o Primeiro Testamento da Bíblia. Milagre é um gesto solidário e libertador de Deus agindo nas entranhas da história.


Deus não é juiz, pois Deus é amor. O único poder que Deus tem é o poder do amor, que é de fato o que constrói.


Deus não é transcendente, mas transdescendente. Na Bíblia, de ponta a ponta, vemos a imagem de um Deus apaixonado pelo humano.


Deus não é neutro diante dos conflitos. Deus faz opção preferencial pelos pobres (cf. Ex 3,7-10).


Não existe inferno, nem purgatório e nem limbo como locais destinados aos pecadores, como descrito de forma tradicionalista por muitos nas igrejas. Satanás (satã, em hebraico) ou diabo (diabolos, em grego) não são entes abstratos, um deus negativo que faz oposição ao Deus da vida. Satanás (diabo) é tudo o que divide, separa, desune, oprime, exclui, discrimina e depreda. Pode ser uma dimensão interior nossa, mas em uma sociedade capitalista neoliberal como a nossa, trata-se prioritariamente de estruturas e instituições que oprimem, excluem e depreda a natureza. Podemos dizer que o agronegócio é satânico, pois concentra riqueza em poucas mãos, expulsa os pequenos do campo e devasta a biodiversidade. Uma democracia burguesa formal que não respeita a Constituição Brasileira e pisa na dignidade das pessoas é uma falsa democracia, algo também satânico.


Ser cristão implica ser anticapitalista. Não dá para compactuar com os pretensos valores do capitalismo: concorrência, competição, acumulação, lucrar e lucrar. Ser cristão é ser outro Cristo, alguém que consola os aflitos, mas que também incomoda os acomodados. Tarefa da pessoa cristã é buscar vida e liberdade para todos e tudo – e não apenas para alguns - mas a partir dos últimos.


 


2.2.4 - Sentir-se igreja, membro vivo de uma comunidade de fé libertadora.


“Igreja é Povo de Deus”, nos ensina o Vaticano II. É hora de percebermos que o sacerdócio comum está acima do sacerdócio ordenado. Os jovens não podem aceitar uma relação que os coloquem como infantis e em uma postura de quem só deve obedecer. Nada disso. Os jovens têm o direito e o dever de dialogar, discutir e reivindicar o direito de decidir conjuntamente todos os assuntos que envolvem a vida da comunidade cristã e da sociedade.


 


2.2.5 – Comprometer-se com a Opção pelos pobres e pelos jovens.


O apóstolo Paulo, ao escrever sobre o Concílio de Jerusalém, acontecido por volta dos anos 49/50 do 1º século diz que a circuncisão, a maior de todas as barreiras, tinha sido abolida e que a única coisa que os apóstolos fizeram questão de alertar foi: “Não esqueçam os pobres.” (Gal 2,10) Esse alerta deve ser acolhido por todas as pessoas cristãs. Mas faz bem ter um bom entendimento sobre quem é pobre. Primeiro, o carente economicamente. Depois, a mulher, o indígena, o negro, o homossexual, a divorciada, a mãe terra, a irmã água, o meio ambiente.


O pobre não é apenas como um poço de carência, mas principalmente um portador de força ética e espiritual. Deus age a partir dos pequenos. “O mundo será melhor quando o menor que padece acreditar no menor”, dizia Dom Hélder Câmara, o santo rebelde.


 


2.2.6 - Partir da periferia, do oprimido. O Evangelho de Lucas interpreta a vida, as ações e os ensinamentos de Jesus ao longo de uma grande caminhada da Galileia até Jerusalém, ou seja, da periferia geográfica e social ao centro econômico, político, cultural e religioso da Palestina. A Palavra, no Evangelho de Lucas, é a palavra de um leigo, de um camponês galileu, “alguém de Nazaré”, pessoa simples, pequena, alguém que vem da grande tribulação. Não é palavra de sumo sacerdote, nem do poder.


 


2.2.7 - Priorizar a formação. Na grande viagem de subida para Jerusalém, Jesus prioriza a formação dos discípulos e discípulas. Ele percebe que não tem mais aquela adesão incondicional da primeira hora. Jesus descobriu que para consolar os aflitos era necessário também incomodar os acomodados e denunciar pessoas e estruturas injustas e corruptas. Assim, o homem de Nazaré começou a perder apoio popular. Era necessário caprichar na formação de um grupo menor que pudesse garantir os enfrentamentos que se avolumavam. Jesus sabia muito bem que em Jerusalém estava o centro dos poderes religioso, econômico, político e judiciário. Lá travaria o maior embate.


 


2.2.8 - Não fugir do combate. O Evangelho de Lucas diz: Jesus, cheio do Espírito, em uma proposta periférica alternativa, vai, em uma caminhada, de Nazaré a Jerusalém; ou seja, vai da periferia para o centro, caminhando no Espírito. Em Jerusalém acontece um confronto entre o projeto de Jesus e o projeto oficial. Este tenta matar o projeto de Jesus (e de seu movimento) condenando-o à morte na cruz. Mas o Espírito é mais forte que a morte. Jesus ressuscita. No final do Evangelho de Lucas, Jesus diz aos discípulos: “Permaneçam em Jerusalém até a vinda do Espírito Santo” (Lc 24,49).


 


2.2.9 - Estar sempre em movimento. Seguir Jesus exige uma dinâmica de permanente movimento. A sociedade capitalista leva-nos a buscar segurança, o que é uma farsa. É hora de aprendermos a seguir Jesus de forma humilde e vulnerável, porém mais autêntica e real. Isso não quer dizer distrair com costumes e obrigações que provêm do passado, mas não ajudam a construir uma sociedade justa, solidária e sustentável ecologicamente.


 


2.2.10 - Andar na contramão. Seguir Jesus implica andar na contramão, remar contra a correnteza de tantos fundamentalismos e da idolatria do consumismo. Exige também rebeldia, coragem, audácia diante de costumes que entortam o queixo e de modas que aniquilam o infinito potencial humano existente em nós. Ser, na prática, luz no mundo, sal na comida, fermento na massa, algo que sempre incomoda.


 


2.2.11 - Saber a hora de conviver e a hora de lutar. O Evangelho de Lucas apresenta dois envios de discípulos para a missão. No primeiro envio (Lc 10,1-11), Jesus indicou aos discípulos que fossem para o campo de missão despojados e desarmados. Assim deve ser todo início de missão: conhecer, conviver, estabelecer amizades, cativar, assumir a cultura do outro, tornar-se um irmão entre os irmãos para que seja reconhecido como “um dos nossos”. No segundo envio (Lc 22,35-38), em hora de luta e combate, Jesus sugere que os discípulos devem ir preparados para a resistência. Por isso “pegar bolsa e sacola, uma espada – duas no máximo.” (Lc 22,36-38). Durante a evolução da missão, chega a hora em que não basta esbanjar ternura, graciosidade e solidariedade. É preciso partir para a luta, pois as injustiças precisam ser denunciadas. Ao tomar partido e “dar nomes aos bois” irrompem-se as divisões e desigualdades existentes na realidade. Os incomodados tendem naturalmente a querer calar quem os está incomodando. É a hora das perseguições que exigem resistência. Confira a trajetória de vida dos/as mártires da caminhada: Padre Josimo, Padre Ezequial Ramin, Chico Mendes, Margarida Alves, Sem Terra de Eldorado dos Carajás, Irmã Dorothy, Santo Dias, Chicão Xucuru, Padre Gabriel etc.


 


2.2.12 - Resistir, o que não é violência, mas legítima defesa. Diante de qualquer tirania e de um Estado violentador, vassalo do sistema capitalista que sempre tritura vidas e pratica injustiças, é dever das pessoas cristãs resistirem contras as opressões perpetradas contra os empobrecidos, os preferidos de Jesus. Lucas, em Lc 22,35-38, sugere desobediência civil – econômica, política e religiosa. Em uma sociedade desigual, esse é “outro caminho” a ser seguido (cf. Mt 2,12) por nós, discípulos e discípulas de Jesus, o rebelde de Nazaré.


 


2.2.13              - Quarto sinal do Evangelho de João e paralelos em Mt, Mc e Lc: A partilha dos pães, uma pedagogia que liberta e emancipa. (Jo 6,1-15)


A fome era um problema tão sério na vida dos primeiros cristãos e cristãs que os quatro evangelhos da Bíblia relatam Jesus partilhando pães e saciando a fome do povo. É óbvio que não devemos historicizar as narrativas de partilha de pães como se tivessem acontecido tal como descrito. Os evangelhos foram escritos de quarenta a setenta anos depois. O quarto evangelho, por volta dos anos 90.  Logo, são interpretações teológicas que querem ajudar as primeiras comunidades a resgatar o ensinamento e a práxis original de Jesus Cristo. Não podemos também restringir o sentido espiritual da partilha dos pães a uma interpretação eucarística, como se a fome de pão se saciasse pelo pão partilhado na eucaristia. Isso seria espiritualização dos textos. Eucaristia, celebrada em profunda sintonia com as agruras da vida, é uma das fontes que sacia a fome de Deus, mas as narrativas das partilhas de pães têm como finalidade inspirar solução radical para um problema real e concreto: a fome de pão.


A beleza espiritual das narrativas de partilha de pães – o correto é partilha de pães e não multiplicação de pães - está no processo seguido: uma série de passos articulados e entrelaçados que constituem um processo libertador. O milagre – no caso de Mt, Mc e Lc – ou o sinal – no caso de Jo - não está aqui ou ali, mas no processo todo. Aqui o nosso foco de análise é o Evangelho de João, mas considerando que narrativas semelhantes estão também em Mt, Mc e Lc, melhor  analisar a Partilha dos pães a partir dos quatro evangelhos e não apenas a partir do quarto evangelho.


Eis, abaixo, uma série de dez características presentes nas narrativas de partilha de pães que nos revelam uma Pedagogia que liberta e emancipa:


1) Cidade, lugar de violência? O evangelho de Mateus mostra que o povo faminto “vem das cidades (Mt,13).” As cidades, ao invés de serem locais de exercício da cidadania, se tornaram espaços de exclusão e de violência sobre os corpos humanos. Faz bem recordar que Deus criou – e continua criando -, nas ondas da evolução, tudo “em seis dias e no sétimo dia descansou (Gen 2,2 ).” Conta-se que alguém teria perguntado a Deus porque ele resolveu descansar após o sexto dia. Deus teria dito que já tinha criado tudo com muito amor e para o bem da humanidade e de toda a biodiversidade. Quando viu que faltava criar a cidade, o Deus criador concluiu que era melhor descansar.


2) Ir para o meio dos excluídos e injustiçados.Jesus atravessa para a outra margem do mar da Galileia” (Jo 6,1), entra no mundo dos gentios, dos pagãos, dos impuros, enfim, dos excluídos e injustiçados. Jesus não fica no mundo dos incluídos, o mundo do status quo e da legalidade, mas estabelece comunicação efetiva e afetiva entre os dois mundos, o dos incluídos e o dos excluídos. Assim, tabus e preconceitos desmoronam-se.


3) “Jesus subiu a montanha e sentou-se aí com seus discípulos (Jo 6,3).” Jesus transitava da planície para a montanha e vice-versa. Na montanha fazia a experiência da contemplação, encontrava com Deus Pai, o mistério de amor que nos envolve, encontrava com seu eu mais profundo e com todas as criaturas da biodiversidade. Assim, a experiência da montanha, o animava a se lançar na planície para encontrar o povo nos porões da humanidade, oprimido e injustiçado. “Sentou-se.” Mais do que a postura de sentar, devemos ver aqui Jesus assumindo a postura de mestre, aquele que ensina um ensinamento libertador com autoridade. “Com seus discípulos.” Podemos intuir : “e com suas discípulas também.” Jesus não era um franco atirador, um agente solitário. Jesus nasceu, cresceu e se formou no meio de um movimento popular religioso. Aprendeu muito com Maria, sua mãe, com José, seu pai, com João Batista, com determinado tipo de fariseus, com o povão, com a natureza. Quando deixa de ser discípulo e passa a ser mestre, Jesus age e ensina quase sempre acompanhado pelo seu movimento de discípulos e discípulas. Isso para nos ensinar que problemas sociais, que são problemas de muita gente e não de apenas algumas pessoas, devem ser encarados em ações comunitárias e coletivas. “A nossa força está no grande número de pessoas que aderem à luta”, ensina-nos o Movimento dos Sem Terra e o Movimento dos Sem Casa.


4) Nunca perder a capacidade de se comover e de se indignar. Profundamente comovido, porque “os pobres estão como ovelhas sem pastor” (Mc 6,34), Jesus percebe que os governantes e líderes da sociedade não estavam sendo libertadores, mas estavam colocando  fardos pesados nas costas do povo. Com olhar altivo e penetrante, “Jesus vê uma grande multidão de famintos que vem ao seu encontro (Jo 6,5).” Isso nos remete à lembrança  de que no Brasil há milhões de pessoas que têm os corpos implodidos pela bomba silenciosa da fome ou da má alimentação.


5) Postura crítica. Jesus não sentiu medo dos pobres, encarou-os e procurou superar a fome que os golpeava e humilhava. Apareceram dois projetos para resgatar a cidadania do povo faminto. O primeiro foi apresentado pelo discípulo Filipe: “Onde vamos comprar pão para alimentar tanta gente?” (Jo 6,5). No mesmo tom, outros discípulos tentavam lavar as mãos: “Despede as multidões para que possam ir aos povoados comprar alimento.” (Mt 14,15). Desculpas esfarrapadas não faltam. A de Filipe era: Nem 182,5 salários mínimos seriam suficientes para saciar os famintos. Hoje se repete à exaustão: “Não temos orçamento suficiente. São muitas as necessidades. O poder público não dá  conta de responder positivamente a tudo. Os cortes nas áreas sociais serão para impedir a inflação de subir mais etc.” Filipe representa os que estão dentro do mercado e pensam a partir do mercado, o capital. Filipe está pensando que o mercado é um deus capaz de salvar as pessoas. Cheio de boas intenções, Filipe não percebe que está enjaulado na idolatria do mercado e do capital. A história brasileira está cheia de exemplos de governantes dizendo: “Esperem o bolo crescer para depois repartirmos. Esperem na fila da moradia que vocês terão a casa própria. .” Mas a história demonstra que sem lutas coletivas o bolo nunca é partilhado e se torna cada vez mais concentrado. O povo organizado tem aprendido como somente na luta conquistam-se direitos como terra e teto.


6) Postura criativa. O segundo projeto é posto à baila por André, outro discípulo de Jesus, que, mesmo se sentindo fraco, acaba revelando: “Eis um menino com cinco pães e dois peixes” (Jo 6,9). Jesus acorda nos discípulos e discípulas a responsabilidade social, ao dizer: “Vocês mesmos devem alimentar os famintos” (Mt 14,16). Jesus quer mãos à obra. Nada de desculpas esfarrapadas e racionalizações que tranquilizam as consciências. Jesus pulou de alegria e, abraçando o projeto que vem de André (em grego, andros = humano), anima o povo a “sentar na grama” (Jo 6,10). Aqui aparecem duas características fundamentais do processo protagonizado por Jesus para levar o povo da exclusão à cidadania, da injustiça à justiça. Jesus convida o povo para se sentar. Por quê? Na sociedade escravocrata do império romano somente as pessoas livres e cidadãs podiam comer sentadas. Os escravos deviam comer de pé, pois não podiam perder tempo de trabalho. Deviam engolir rápido e retomar o serviço árduo. Um terço da população era escrava e outro terço, semiescrava. Logo, quando Jesus inspira o povo para se sentar, ele está, em outros termos, defendendo que os escravos são seres humanos e, portanto, têm direitos e devem ser tratados como cidadãos.


Um menino ... (Jo 6,9).” O discípulo André não apontou que a solução para o problema da fome poderia vir de um sumo sacerdote, nem de um rei, nem de um saduceu, nem de um fariseu, mas apontou que poderia vir de um menino, uma criança. Isso para nos ensinar que é a partir do pequeno, do simples e dos humildes que surgem as verdadeiras soluções. Atuando de forma coletiva e comunitária, os pobres são protagonistas e sujeitos de sua libertação. É como dom Moacyr Grechi ensinou  no 12º Intereclesial das CEBs (Comunidades Eclesiais de Base), em Porto Velho, em Rondônia: “Pessoas simples fazendo coisas simples, multiplicando aos milhares, conseguem grandes transformações.”


“Cinco pães e dois peixes ...(Jo 6,9).” Não é a partir do muito e nem do forte que se supera os problemas mais graves que afligem o povo, mas é a partir do pouco de cada um/a.


7) Organização é o segredo da pedagogia de Jesus. Jesus estimula a organização dos famintos. “Sentem-se, em grupos de cem, de cinquenta, ...” (Jo 6,10; Mc 6,40). Assim, Jesus e os primeiros cristãos e cristãs nos inspiram que o problema da fome e todos os outros problemas sociais só serão resolvidos, de forma justa, quando o povo marginalizado e injustiçado se organizar e partir para lutas coletivas.


8)  Gratidão.Jesus agradeceu a Deus (Jo 6,11).” A dimensão da mística foi valorizada. A luz e a força divinas permeiam e perpassam os processos de luta. Faz bem reconhecer isso. Vamos continuar cantando com Manoelão - cantor e compositor das Comunidades Eclesiais de Base que já partilha vida em plenitude - cantos revolucionários, tal como: É madrugada, levanta povo! / A luz do dia vai nascer de novo! / Rompe as cadeias, abre o coração,/ Vamos dar as mãos, já é o reino do povo! / O povo agora é Senhor da história, / Somos rebentos desta nova era. / A liberdade, a fraternidade. / São as bandeiras desta nova terra!


9) Não ser paternalista. Quem reparte o pão não é Jesus, mas os discípulos. Jesus provoca a solidariedade conclamando para a organização dos injustiçados como meio para se chegar à cidadania de e para todos. Dar pão a quem tem fome sem se perguntar por que tantos passam fome é ser cúmplice do capital que rouba o pão da boca da maioria.


10) Reaproveitar.Recolham os pedaços que sobraram, para não se desperdiçar nada (Jo 6,12)”, nos ensina Jesus no final da narrativa da partilha de pães no quarto evangelho. Economia que evita o desperdício. Atualmente quase 1/3 da alimentação produzida é jogada no lixo, enquanto tantos passam fome. É hora de reduzir o consumo. Reaproveitar, reciclar. Nada deve se perder, mas ser tudo transformado. Em uma casa ecológica tudo é reaproveitado, inclusive as fezes são consideradas recursos, pois viram adubo fértil e orgânico. Envolvidos pela crise ecológica, com aquecimento e escurecimento global é hora de reduzir, reutilizar, reciclar, reaproveitar, recusar, recuperar e repensar.


 


2.14 - Participar da vida pública transformando a sociedade (Lc 10,38-42).


Seguindo para Jerusalém, Jesus entra na casa de duas mulheres, Marta e Maria. Tradicionalmente, a narrativa de Lc 10,38-42 tem sido interpretada como uma oposição entre vida Ativa e vida contemplativa. Ao longo dos séculos e ainda hoje, muitos usam e abusam de Lc 10,38-42 para justificar a vida contemplativa, mas essa interpretação não tem consistência exegética. Não há nenhuma referência no texto que diga que Jesus estivesse rezando ou orando com Maria. Para entender bem Lc 10,38-42 é preciso considerar algumas coisas.


Primeiro, nas duas perícopes anteriores, Lucas revelou uma oposição, um contraste: humildes X entendidos (Lc 10,21-24) e samaritano X sacerdote e levita (Lc 10,29-37). Em Lc 10,38-42 também há uma oposição, um contraste: Maria X Marta. A postura de Maria é elogiada por Jesus e a postura de Marta é censurada: “Marta, Marta! ... uma só coisa é necessária...” (Lc 10,41-42).


Segundo, precisamos considerar a situação das mulheres na época de Jesus e de Lucas. As mulheres eram - não todas, é óbvio - propriedades do pai e, depois de casadas, dos maridos; não participavam da vida pública, deviam ficar restritas ao lar; não aprendiam a ler e a escrever; não recebiam os ensinamentos da Torá. Encontra-se escrito no Talmud dos Judeus (Escritura não-sagrada): “Que as palavras da Torá sejam queimadas, mas não transmitidas às mulheres”. A oração que muitos judeus piedosos rezavam dizia: “Louvado sejas Deus por não ter-me feito mulher!”


Ao sentar-se aos pés de Jesus, para ouvir-lhe os ensinamentos, Maria reivindica para si o direito de ser discípula. Ela reclama para si o direito de ser cidadã no sentido pleno. “Sentar-se aos pés” era a atitude dos discípulos dos rabis.


Em Lc 10,38-42, Maria faz desobediência civil e religiosa, pois fica aos pés de Jesus ouvindo-o. Só os homens judeus podiam ficar aos pés de um mestre e se tornarem discípulos. Ouve Jesus e, provavelmente, dialoga com Jesus e o interroga, e se torna discípula.


Um judeu entrar em uma casa onde só havia mulheres também era algo censurável pela sociedade. Jesus desobedece a essa regra moral e entra na casa de duas mulheres. Assim, Jesus vai formando seus discípulos e discípulas enquanto caminha para Jerusalém.


 


2.15 - Ser simples como as pombas e esperto como as serpentes.


Após uma longa marcha da Galileia a Jerusalém, da periferia à capital (Lc 9,51-19,27), Jesus e seu movimento estão às portas de Jerusalém. De forma clandestina, não confessando os verdadeiros motivos, Jesus e o seu grupo entram em Jerusalém, narra o Evangelho de Lucas (Lc 19,29-40). De alguma forma deve ter acontecido essa entrada de Jesus em Jerusalém, provavelmente não tal como narrado pelo evangelho, que tem também um tom midráxico, ou seja, quer tornar presente e viva uma profecia do passado.


 Dois discípulos recebem a tarefa de viabilizar a entrada na capital, de forma humilde, mas firme e corajosa. Deviam arrumar um jumentinho – meio de transporte dos pobres -, mas deviam fazer isso disfarçadamente, de forma “clandestina”. O texto repete o seguinte: “Se alguém lhes perguntar: “Por que vocês estão desamarrando o jumentinho?”, digam somente: ‘Porque o Senhor precisa dele’”. A repetição indica a necessidade de se fazer a preparação da entrada na capital de forma clandestina, sutil, sem alarde. Se dissessem toda a estratégia a entrada em Jerusalém seria proibida pelas forças de repressão.


Com os “próprios mantos” prepararam o jumentinho para Jesus montar. Foi com o pouco de cada um/a que a entrada em Jerusalém foi realizada. A alegria era grande no coração dos discípulos e discípulas. “Bendito o que vem como rei...” Viam em Jesus outro modelo de exercer o poder, não mais como dominação, mas como gerenciamento do bem comum.


Ao ouvir o anúncio dos discípulos – um novo jeito de exercício do poder – certo tipo de fariseu se incomoda e tenta sufocar aquele evangelho. Hipocritamente chamam Jesus de mestre, mas querem domesticá-lo, domá-lo. “Manda que teus discípulos se calem.”, impunham os que se julgavam salvos e os mais religiosos. “Manda...!” Dentro do paradigma “mandar-obedecer”, eles são os que mandam. Não sabem dialogar, mas só impor. “Que se calem!”, gritam. Quem anuncia a paz como fruto da justiça testemunha fraternidade e luta por justiça, o que incomoda o status quo opressor. Mas Jesus, em alto e bom som, com a autoridade de quem vive o que ensina, profetisa: “Se meus discípulos (profetas) se calarem, as pedras gritarão.” (Lc 19,40). Esse alerta do galileu virou refrão de música das Comunidades Eclesiais de Base: “Se calarem a voz dos profetas, as pedras falarão. Se fecharem uns poucos caminhos, mil trilhas nascerão... O poder tem raízes na areia, o tempo faz cair. União é a rocha que o povo usou pra construir...!”


 


2.16 - Ser intransigente diante da opressão econômica e política.


Os quatro evangelhos da Bíblia relatam que Jesus, próximo à maior festa judaico-cristã, a Páscoa, impulsionado por uma ira santa, invadiu o templo de Jerusalém, lugar mais sagrado do que os templos da idolatria do capital que muitas vezes tem a cruz de Cristo pendurada em um ponto de destaque. Furioso como todo profeta, ao descobrir que a instituição tinha transformado o templo em uma espécie de Banco Central do país + sistema bancário + bolsa de valores, Jesus “fez um chicote de cordas e expulsou todos do templo, bem como as ovelhas e bois, destinados aos sacrifícios. Derramou pelo chão as moedas dos cambistas e virou suas mesas. Aos que vendiam pombas (eram os que diretamente negociavam com os mais pobres porque os pobres só conseguiam comprar pombos e não bois), Jesus ordenou: ‘Tirem estas coisas daqui e não façam da casa do meu Pai uma casa de negócio.” Essa ação de Jesus foi o estopim para sua condenação à pena de morte, mas Jesus ressuscitou e vive também em milhões de pessoas que não aceitam nenhuma opressão.



2.17 - Algumas conclusões.


Durante a leitura, meditação e estudo do Texto-Base da Campanha da Fraternidade de 2015, inúmeras vezes me veio à mente e ao coração a pessoa do papa Francisco, sua práxis e seu ensinamento como guia da Igreja Católica no mundo. Vejo muita sintonia entre o que nos pede Jo 5 a 8 e o que nos anima o papa Francisco. Por isso registro aqui algumas afirmações do papa Francisco na Exortação Apostólica A Alegria do Evangelho, principalmente fazendo referência ao cap. IV, que trata justamente da Dimensão Social da Evangelização:


Se a dimensão social da evangelização não for devidamente explicitada, corre-se o risco de desfigurar o sentido autêntico e integral da missão evangelizadora.” (n. 176).


Prefiro uma Igreja acidentada, ferida e enlameada por ter saído pelas estradas, a uma Igreja enferma pelo fechamento e a comodidade de se agarrar às próprias seguranças. Não quero uma Igreja preocupada com ser o centro, e que acaba presa num emaranhado de obsessões e procedimentos.” (n. 49).


Além de ser pobre e para os pobres, a Igreja desejada por Francisco é corajosa em denunciar o atual sistema econômico, "injusto na sua raiz" (A alegria do Evangelho, n. 59). Como disse João Paulo II, a Igreja "não pode nem deve ficar à margem na luta pela justiça" (n. 183).


"Saiam!" é a essência da mensagem que o papa Francisco envia a bispos, padres, membros da comunidade. Saiam para fora das suas cômodas estruturas eclesiais burguesas e do caloroso círculo dos convencidos – anunciem o Evangelho às periferias das cidades, aos marginalizados pela sociedade, aos pobres, aos injustiçados.


Às questões sociais, o papa Francisco dedica dois dos cinco capítulos da Exortação Apostólica A Alegria do Evangelho, o segundo e o quarto. Critica o "fetichismo do dinheiro" e "a ditadura de uma economia sem rosto e sem um objetivo verdadeiramente humano", versão nova e implacável da "adoração do antigo bezerro de ouro".


Francisco critica o atual sistema econômico: "esta economia que mata" porque prevalece a "lei do mais forte". Ele volta à cultura do "descartável" que criou "algo novo" e dramático: "Os excluídos não são 'explorados', mas resíduos, 'sobras'" (n. 53). Enquanto não se resolverem radicalmente os problemas dos pobres, renunciando "à autonomia absoluta dos mercados e da especulação financeira e atacando as causas estruturais da desigualdade social – insiste –, não se resolverão os problemas do mundo e, em definitivo, problema algum". E indica na "desigualdade social" as raízes dos males sociais.


A Igreja não pode ficar indiferente a tais injustiças. "A economia não pode mais recorrer a remédios que são um novo veneno, como quando se pretende aumentar a rentabilidade reduzindo o mercado de trabalho e criando assim novos excluídos". Ele dedica páginas à denúncia da "nova tirania invisível, às vezes virtual" em que vivemos, um "mercado divinizado", onde reinam a "especulação financeira", "corrupção ramificada", "evasão fiscal egoísta" (n. 56).


Enfim, seguir Jesus implica andar na contramão, remar contra a correnteza de tantos fundamentalismos e da idolatria do consumismo. Exige também rebeldia, coragem, audácia diante de costumes que entortam o queixo e de modas que aniquilam o infinito potencial humano existente em nós.


Para concluir não concluindo, contamos com todas as pessoas cristãs para vivenciar a Opção preferencial pelos Pobres e pelos Jovens, buscar alternativas para a superação da atual crise socio-política-econômica-cultural e religiosa. Apoiar firmemente a Economia Popular Solidária, as lutas pela Reforma Agrária, por agricultura familiar, por preservação ambiental, pela mudança do atual modelo econômico neoliberal. Queremos um modelo econômico que seja popular, democrático, soberano, inclusivo e sustentável ecologicamente. Queremos construir outro modelo de igreja, onde, de fato, a igreja seja povo de Deus, em comunidades que se relacionam em sistema de rede.



2.18   - Referências de práxis libertadora.


Preferimos nesse artigo não citar nenhuma obra da literatura bíblica ou teológica, mas dizer que o que nos inspirou o tempo todo na construção do texto foi a experiência de luta dos Sem Terra do MST, dos Sem Casa, do povo das Comunidades Eclesiais de Base, das Pastorais Sociais e dos Movimentos Sociais Populares: povo que de forma coletiva, com fé no Deus da vida, fé nos companheiros/as, fé nos pequenos e injustiçados, de mãos dadas, seguem marchando e lutando para conquistar direitos fundamentais como um pedacinho de terra, moradia digna e respeito. Enfrentam um tsunami de conflitos e de perseguições, mas não desistem. A todo esse povo dedico esse texto. 


2.19   - Apêndice.


Sugestão de textos e eventos bíblicos libertadores que podem inspirar a vivência da dimensão social da fé cristã, Fraternidade e Sociedade:


1)      Gn 1: Toda a Criação é muito boa, imagem e semelhança de Deus.


2)      Ex 1,15-22: O Movimento das parteiras faz Desobediência civil e religiosa. Cf. Gandhi, Martin Luther King, as camponesas da Via Campesina.


3)      Ex 3,7-10: Deus ouve o clamor dos oprimidos e faz opção pelos injustiçados.


4)      Davi vence Golias.


5)      Is 65,17-25: Eis um novo céu e uma nova Terra.


6)      Dn 2,31-37: Uma pedrinha destrói um gigante de pés de barro – a força da profecia.


7)      Jo 6,1-15: Solução radical para a fome de pão – partilha de pães.


8)      Mt 21,12-13: Jesus expulsa os capitalistas do Templo.


10)  Ap 12,1-17: Uma mulher grávida, em dores de parto, vence um Dragão.


11)  At 21,1-7: Deus deixa o céu e arma sua tenda no meio dos pobres.

CINE PJ - ANGRA DOS REIS / RJ - 25/02/2015


quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

HINDUÍSMO: ATENÇÃO AO TIRAR FOTO COM LÍNGUA DE FORA

O ATO DE TIRAR E/OU POSTAR FOTOS COM A LÍNGUA DE FORA É UMA FORMA DE ADORAR UMA ENTIDADE DO HINDUÍSMO CHAMADA KALI, CONHECIDA COMO A DEUSA DA MORTE E DA SEXUALIDADE. É UMA DAS ENTIDADES MAIS CULTUADAS DESSA RELIGIÃO.

EVANGELHO Mc 8, 1 - 9

POR Thiago de Morais.

PARTILHA.
O BANQUETE É REALIZADO EM TERRITÓRIO PAGÃO: O CONVITE PARA FORMAR NOVA SOCIEDADE É DIRIGIDO A TODOS, E NÃO APENAS A UM GRUPO OU POVO DE PRIVILEGIADOS.
NO NOSSO DIA-A-DIA EXISTEM PESSOAS QUE FAZEM ALGUM TIPO DE FESTA, COMO O DE ANIVERSÁRIO, POR EXEMPLO, CONVIDAM SÓ PESSOAS DE ALTA SOCIEDADE (CLASSE A) COM O OBJETIVO DE GANHAR PRESENTES CAROS. SENDO QUE, ÁS VEZES, NA ESQUINA, TEM MORADOR DE RUA PASSANDO FOME.
JESUS PARTILHOU O QUE O GRUPO TINHA PARA TODOS. SERÁ QUE NÃO DEVEMOS FAZER A MESMA COISA? PENSE NISSO. PARA DEUS SOMOS TODOS IGUAIS.

A REFLEXÃO ACIMA SUPÕE QUE VOCÊ FEZ A REFERIDA LEITURA EVANGÉLICA NA BÍBLIA SAGRADA.

CAMPANHA DA FRATERNIDADE E SUA MEMÓRIA

POR FREI GILVANDER LUÍS MOREIRA

Iniciando a reflexão

Realizada desde 1964, há 51 anos, com o tema “Fraternidade: Igreja e Sociedade” e lema “Eu vim para servir” (cf. Mc 10, 45), a  Campanha da Fraternidade de 2015 (CF/15) objetiva animar a vocação e missão de todas as pessoas cristãs e das comunidades, a partir do que propõe o Concílio Ecumênico Vaticano II (1962 a 1965): Igreja povo de Deus, ecumenismo, inculturação e profecia.
Os Temas e Lemas das Campanhas da Fraternidade já realizadas contribuíram muito para colocar na pauta da política e das forças vivas da sociedade brasileira grandes injustiças que se tornaram clamores ensurdecedores. Para refrescar a memória, citamos: 
CF/74: Onde está o teu irmão?; 
CF/75: Repartir o pão, logo após o milagre econômico de 1973, denunciava ricos cada vez mais ricos à custa de pobres cada vez mais pobres; 
CF/78: Trabalho e Justiça para todos; 
CF/79: sobre Ecologia, com o lema “Preserve o que é de todos”; 
CF/80: sobre Migrantes, com o lema “Para onde vais?”; 
CF/81: Saúde para todos, o que contribuiu para a criação do SUS em 1988; 
CF/83: Fraternidade, sim; Violência, não; 
CF/85: Pão para quem tem fome; 
CF/86: sobre a terra, com o lema “Terra de Deus, terra de irmãos”, contribuiu para legitimar a atuação da Comissão Pastoral da Terra, do MST, recém criado, e fez nascer dezenas de movimentos sociais do campo; 
CF/87: sobre crianças abandonadas, com o lema “Quem acolhe o menor a mim acolhe”. Essa foi imprescindível na criação do Estatuto da Criança e do Adolescente em 1991; 
CF/88: sobre Os Negros, com o lema “Ouvi o clamor desse povo”, fez surgir e fortalecer o Movimento Negro, movimento popular de luta contra o racismo; 
CF/89, “Comunicação para a verdade e a paz” denunciou a concentração do poder midiático (mídia) em poucas nas mãos; 
CF/90: contra o machismo e o patriarcalismo, com o lema “Mulher e Homem, imagem de Deus”; 
CF/91, Solidários na dignidade do trabalho; 
CF/92 e CF/13: sobre a Juventude, denunciando o extermínio de jovens pelo tráfico, violência social etc; 
CF/93: sobre Moradia, com o lema “Onde moras?”, fez surgir inúmeros movimentos de luta por moradia; 
CF/95: sobre os Excluídos, com o lema “Eras tu, Senhor?” fortaleceu o Movimento Nacional do Povo de Rua e a Pastoral do povo de rua; 
CF/96: sobre Política, com o lema “Justiça e Paz se abraçarão”, fortaleceu o Movimento que luta por ética na Política Partidária; 
CF/97: Os encarcerados, acolhendo os gritos dos milhares de presos e denunciando que eles estão submetidos a situações degradantes e desumanas em prisões superlotadas; 
CF/98: Educação, o que ajudou a legitimar a luta por educação pública de qualidade; 
CF/99: Desemprego, com o lema “Sem trabalho, por quê?”; 
CF/01: sobre Drogas, com o lema “Vida, sim; drogas, não”; 
CF/02: sobre Povos Indígenas, com o lema “Por uma terra sem males”, contribuiu para o surgimento e fortalecimento de inúmeros movimentos indígenas; 
CF/03: sobre Pessoas idosas, contribuiu para a Criação do Estatuto do Idoso em 2003;
CF/04: sobre A água, com o lema “Água, fonte de vida”; 
CF/06: Pessoas com deficiência; 
CF/07: sobre Amazônia; 
CF/09: sobre Segurança Pública, com o lema “A paz é fruto da justiça”; 
CF/10: Economia, questionando com veemência o modelo econômico capitalista-neoliberal e apontando a necessidade e justeza de fortalecermos a Economia Popular Solidária; 
CF/11: Vida no Planeta, com o lema “A criação geme em dores de parto”, refletiu sobre a crise ecológica mundial; 
CF/12: sobre Saúde Pública; 
      CF/14: sobre Tráfico humano.

(CONTINUA...)



MAIOR LÍDER MUÇULMANO PEDE DESTRUIÇÃO DAS IGREJAS CRISTÃS

O MAIOR LÍDER MUÇULMANO DA ARÁBIA SAUDITA, O SHEIK ABDUL AZIZ BIN ABDULLAH, PEDE QUE TODAS AS IGREJAS CRISTÃS SEJAM DESTRUÍDAS. ESSA PERSEGUIÇÃO DOS MUÇULMANOS NO ORIENTE MÉDIO PODE GERAR UM CONFLITO GLOBAL.

“Como acontece com muitos muftis antes dele, o sheik baseou sua fala na famosa tradição, ou hadith, que o profeta do Islã teria declarou em seu leito de morte: ‘Não pode haver duas religiões na Península [árabe]’. Isso que sempre foi interpretado que somente o Islã pode ser praticado na região”, explicou Raymond Ibrahim, especialista em questões islâmicas.

 No Oriente Médio, os cristãos já estão enfrentando perseguição maior, incluindo a morte, nos  últimos meses. Especialmente nos países onde as facções militares islâmicas têm aproveitado o vácuo de poder criado pelas revoluções da chamada “Primavera árabe”, como Egito, Líbia e Tunísia, Jordânia, Marrocos, Síria e Iêmen.

FONTE: GOSPEL PRIME.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015