Pesquisar este blog

domingo, 29 de setembro de 2013

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

QUANDO SEI QUE ALGUMA COISA É VONTADE DE DEUS OU NÃO?

TEXTO: DANIEL SIMONCELOS.
POSTADO EM 11 DE JULHO DE 2011
 
FONTE: ESTUDOS.GOSPELMAIS.COM.BR
ACESSO EM 13 DE SETEMBRO DE 2013.
 
Quando sei que alguma coisa é vontade de Deus ou não?

É porque algum líder falou? Porque algum pastor mandou? Certamente que não. Se você fica buscando pessoas para te falarem o que deve fazer, é porque não quer desenvolver um relacionamento com Deus e quer apenas um guru espiritual. Isso fazem as pessoas que procuram videntes, etc.

Muitos crentes querem ir ao monte ou em determinadas igrejas para ouvirem alguns profetas falarem coisas a seu respeito. Estão em busca de “recados” de Deus. E normalmente os “profetas” atendem aos pedidos. Dizem algumas coisas generalizadas e são muito sensitivos para darem os recados que as pessoas querem ouvir. Normalmente relacionado a vitória, porta aberta, etc.

Não estou dizendo que Deus não possa usar uma pessoa para falar contigo, porém se este for o único meio que você tem te convido a refletir se realmente tem um relacionamento com Deus, ou se O conhece de ouvir falar apenas.

Então como você pode saber se alguma decisão que irá tomar é de Deus ou não?

A primeira coisa que você deve fazer é entregar sua vida nas mãos de Deus. Se você realmente entregar seu coração para Jesus, certamente Ele te mostrará o que deve ou não fazer. A partir do momento que você recebe a Cristo, o seu coração recebe o selo do Espírito Santo (2 Co 1:22) e a partir daí, Ele te direcionará.
 
O problema é que muitos cristãos no início de suas jornadas, obedecem à voz do Espírito Santo nos seus corações e àquele incomodo que Ele dá para que não façam determinadas coisas que antes eram normais. Porém, com o passar do tempo, muitos começam a ignorar essa voz. E começam a tentar argumentar com essa voz.

Por exemplo: Você está carente e aparece um(a) garoto(a) que parece perfeito(a) para você. Você sabe que não é a hora certa para ter um relacionamento, que deveria se curar, se consagrar, porém você ignora isto e começa a argumentar dizendo que a pessoa é perfeita para você, que apareceu na hora certa falando tudo aquilo que você precisava ouvir. Essas situações normalmente são colocadas pelo diabo e não por Deus. Porém você argumenta, sabe que é errado, sabe que irá fazer besteira, porém ignora a voz do Espírito Santo e faz.

A resposta para a pergunta é simples: Você sabe o que é vontade de Deus para sua vida, porque a Paz dEle é o árbitro. Se não há paz no seu coração, não é de Deus. Agora, se você já ignorou tanto o Espírito Santo, que está a ponto de apagá-lo em sua vida (I Ts 5:19) talvez seu coração já esteja cauterizado e já nem ouve mais o que Ele diz.

Neste caso , você precisa voltar para Deus. Seu coração já está invertendo novamente os valores e sua carne está muito mais forte que seu espírito. Seu primeiro amor se foi e o Senhor te exorta a voltar às práticas das primeiras obras e se arrepender.

Querido, a voz de Deus é tudo que precisamos para viver nesta terra. Com ela, podemos caminhar seguros mesmo em meio ao vale da sombra da morte. Quanto mais você responder sim ao Senhor, mais ouvirá a sua voz e terá cada vez mais intimidade com Ele.

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

MISSA - VILA VELHA - ANGRA DOS REIS / RJ - 15/09/2013

A COMUNIDADE DA VILA VELHA, EM ANGRA DOS  REIS,  INFORMA QUE HAVERÁ MISSA NO PRÓXIMO DOMINGO, DIA 15/09/2013, ÁS 09 DA MANHÃ, NO SALÃO COMUNITÁRIO.

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

CURSO IRMÃ MERCEDES - ANGRA DOS REIS - 2º ENCONTRO


2º ENCONTRO
DISCÍPULOS E MISSIONÁRIOS SEGUNDO O EVANGELHO DE LICAS.
No 1º encontro vimos:

 - Oração = Jesus conversando com o Pai.
 - Visita de Deus;
 - Conflitos pobres x ricos;
 - Misericórdia de Deus.
 - Jesus valoriza a oferta da viúva pobre, pois Ele nasceu pobre.
-----------------------
O anúncio do nascimento de Jesus foi anunciado aos pastores mais pobres.

Despojado de tudo, Jesus passa 40 dias rezando no deserto. (4, 1-4)

Com a força do Espírito, Jesus voltou para a Galileia. Na sinagoga de Nazaré ele leu um texto de Isaías para mostrar com clareza qual é a sua missão: “O Espírito me ungiu para evangelizar os pobres.”

Isaías 61, 1-2 (este trecho está dentro do Evangelho de Lucas capítulo 4, 16-21)

Os discípulos e as discípulas de Jesus eram pobres. Eram pescadores e enm sempre conseguiam uma boa pesca (5,5). Levi (Levi = Mateus) deixou tudo para seguir Jesus (5, 27-28). E Jesus disse para eles “bem-aventurados vocês os pobres porque o reino de Deus é de vocês. (6, 20)

E quando enviou 72 discípulos, Jesus pediu para que eles não levassem nada pelo caminho (10, 1-5)

 - No Evangelho de Lucas são 3 bem-aventuranças.

 - No Evangelho de Mateus são 8 bem-aventuranças.

João Batista ouviu contar as coisas que Jesus fazia e dizia e ficou sabendo que o povo estava achando que ele era um profeta. João manda perguntar a Jesus quem era.

Jesus,que já havia curado e resgatado a vida de muitas pessoas pede que os discípulos de João Batista contem a ele tudo o que viram. Resume assim: “aos pobres é anunciado o Evangelho” (7, 18-23)

LEITURAS:

Lc 3, 10-14

Lc 14, 12-13

Lc 14, 15-21

Você quer ser meu discípulo, então vai “vende tudo o que tem e distribui aos pobres.” (18, 18-22)

O Papa Francisco pede que não sejamos uma igreja dos pobres, mas que sejamos uma igreja pobre. O que isto significa?

 - Uma igreja voltada para Evangelização dos pobres e excluídos;

 - Uma igreja acolhedora;

 - Uma igreja aberta a ouvir.

Uma igreja pobre é misericordiosa.
Na pessoa de Jesus de Nazaré, Deus aproxima-se das pessoas excluídas. Jesus as toca, abraça, acolhe com ternura.

Apresenta-se sempre cheio de misericórdia e compaixão!

Os contemporâneos de Jesus puderam escutar sua voz, contemplar seu rosto, tocá-lo e serem tocados por Ele, sentir seu respeito, sua ternura e compaixão.

Jesus não julga, nem condena. Ama e acolhe os pobres, os pecadores, as mulheres, os doentes e as crianças (Lc 6, 36-38). Esta é uma das surpresas de Deus, pois o sistema religioso da época considerava impuras estas pessoas!

Em Jesus de Nazaré, Deus se aproxima da multidão de pessoas que se sentiam indignas de aproximar-se da Divindade, pois não tinham acesso as sinagogas, nem ao templo de Jerusalém.

“Não tenham medo de levar Cristo a todos os ambientes, até as periferias, incluindo quem parece mais distante, mais indiferente.” (Papa Francisco). 

As multidões excluídas pelo sistema do Templo se alegram com a possibilidade de terem acesso a Deus na pessoa de Jesus (Lc 17, 11-21)

Na humanidade de Jesus, Deus se faz solidário e acolhe com misericórdia, compaixão os corpos caídos, desfigurados, feridos, excluídos.

Publicanos e pecadores se aproximavam de Jesus para vê-lo e escutar seus ensinamentos. Mas, os fariseus e os escribas o criticavam por isso. (15, 1-2)

Então Jesus contou estas parábolas:

 - Lc 15, 4-7;

 - Lc 15, 8-10;

 - Lc 15, 11-32.

Contando estas parábolas, Lucas quer ajudar as comunidades a se sentirem amadas por Deus e a lerem os sinais dos tempos, acolhendo a visita de Deus.

Lc 1, 68

Lc 7, 16

Lc 19, 41-44.

 

CEIA PASCAL – EUCARISTIA (Lc 22, 1-20)

 

A ceia pascal: aproxima-se o dia “sacerdotes e escribas procuravam um jeito para matar Jesus (22,1)

Trama-se uma aliança, um pacto de traição (22, 3-6)

A preocupação da ceia é feita com cuidado. Há códigos para contatos.

Esta ceia final resume e expressa toda a vida de Jesus, sua entrega, apaixonado ao projeto do Pai, seu amor incondicional, gratuito e fiel aos discípulos.

“Desejei ardentemente comer esta Ceia com vocês.” (22,15)

É a realização do “êxodo” de Jesus (9,31). Aqui parece que Lucas está usando uma câmera para filmar e começa mostrando a cena de longe. Depois vai chegando perto.

“Aproxima-se o dia da Páscoa (22,1) chegou o dia dos ázimos (22,7, quando chegou a hora, ele sentou-se a mesa (22,14)

ESTE É O PONTO!

CONGELA! POIS ESTE É O ÊXODO DE JESUS!

Jesus, o cordeiro pascal, vai libertar o povo da opressão da lei, revelando a imensa bondade de Deus. (22,17).

Todos estão reunidos para celebrar, fazer memória da libertação do Egito.

Jesus distribui o vinho e o pão como uma expressão daquele que ele mesmo está vivendo: doar-se, distribuindo-se.

E Jesus acrescenta uma frase que somente Lucas conservou:

“Fazei isto em memória de mim.”

Lucas acentua a semelhança entre o êxodo e a paixão, morte e ressurreição de Jesus. No antigo êxodo, nasceu o povo bíblico, formado de muitas raças e tribos diferentes. O que nos unia era a fé no Deus libertador. No novo êxodo, nasce um novo povo unido pela fé em Jesus que revelou um Deus ternura e misericórdia, que a todos ama, perdoa e acolhe.

CURSO IRMÃ MERCEDES EM ANGRA DOS REIS. COMO FOI?

NOS DIAS 26 E 27 DE AGOSTO DE 2013 FOI REALIZADO NO CONVENTO DO CARMO, NO CENTRO DE ANGRA DOS REIS, UM CURSO COM A IRMÃ MERCEDES LOPES, AUTORA DE DIVERSOS LIVROS DE CÍRCULOS BÍBLICOS JUNTO COM O FREI CARLOS MESTERS E OUTROS. O TEMA FOI SOBRE O MÊS DA BÍBLIA QUE ESTÁ RETRATANDO SOBRE O EVANGELHO DE LUCAS.
 
CONFIRA NA ÍNTEGRA O CONTEÚDO DO 1º DIA DO ENCONTRO.
 
MÊS DA BÍBLIA 2013
TEMA: DISCÍPULOS E MISSIONÁRIOS SEGUNDO O EVANGELHO DE LUCAS.
LEMA: ALEGRAI-VOS COMIGO, ENCONTREI O QUE HAVIA PERDIDO (Lc 15)
 
1º ENCONTRO
 
Alegrai-vos comigo, encontrei o que havia perdido significa que Deus é tão misericordioso, que vive procurando quem se perdeu.
A leitura orante (ou lécio-divina) do Evangelho de Lucas nos ajuda a acolher a visita de Deus.
LEITURA:
Lc 1, 68.78 -> FORÇA DE SALVAÇÃO = JESUS
Lc 7,16 -> JESUS DE NAZARÉ É VISITA DE DEUS.
Lc  19, 41-44 -> Fala da guerra nos anos 70 d.C. Tito destrói o templo de Jerusalém. A cidade não conseguiu compreender o caminho da paz.
è Em nossa época, como e através de que pessoa e acontecimentos recebemos a visita de Deus?
Visita do Papa Francisco.
 
Visão geral do Evangelho de Lucas.
1)      QUEM ERA LUCAS?
Era companheiro de viagem de Paulo (Cl 4,14). Conhecia de perto as buscas e os conflitos das comunidades helenistas!
(Filemo 1,14 – saudação).
Onde estavam situadas as comunidades?
(Mapa: As viagens de Paulo).
O Evangelho de Lucas foi escrito depois da morte de Paulo.
2)      QUANDO LUCAS ESCREVEU?
Em torno do ano 85 d.C., para as comunidades helenistas.
LEITURA: Lc 1,1-4 E At 1,1.
O QUE CHAMA A ATENÇÃO NESTES DOIS TEXTOS?
 - Os dois textos são escritos pelo mesmo autor. Lucas escreve seu Evangelho e o Atos dos Apóstolos. O Atos dos Apóstolos é uma continuidade do Evangelho de Lucas.
            - Nos dois textos aparecem o nome Teófilo. Qual é a dúvida? Quem é Teófilo?
            - Na época em que foram escrito os textos já existia Ministro da Palavra.
            - Nessa época não existia os Evangelhos de Mateus e João. Lucas só tinha alguns documentos (Evangelhos de sentença) e o Evangelho de Marcos.
SINÓTICO = COMPARAÇÃO (Evangelhos de Marcos, Lucas e Mateus). O Ev. De João não, pois é escrito de forma diferente.
 
3)      PARA QUEM LUCAS ESCREVE?
Lucas dedica os dois volumes de sua obra a um amigo, chamado Teófilo.
Alguns acham que Teófilo foi uma pessoa de destaque da sociedade.
Nem no Evangelho de Lucas e nem no Atos dos Apóstolos, transparece uma preferência de Lucas pelo pessoal de destaque na sociedade daquele tempo.
Pelo contrário! Mais do que os outros evangelistas, ele acentua a preferência de Jesus pelos pobres e excluídos.
O nome Teófilo significa pessoa que “ama a Deus” ou “é amada por Deus”. Lucas se refere aos cristãos convertidos do paganismo, os “tementes a Deus” ou “adoradores de Deus”.
A partir dos anos 70, este grupo era cada vez mais numeroso nas comunidades cristãs das grandes cidades do Império Romano. E para eles que Lucas escreve, para que possam como ele mesmo diz, verificar a solidez dos ensinamentos recebidos. (Lc 1,4).
            - Somente no Evangelho de Lucas traz a parábola de Lázaro.
             - A solidez dos ensinamentos vem de Jesus.
 
4)      QUAL ERA O PROBLEMA QUE LEVOU LUCAS A ESCREVER O SEU EVANGELHO?
Havia muitos problemas. Mas eram, sobretudo, dois os problemas que levaram Lucas a recolher e a organizar, de maneira didática e sistemática, o material que as comunidades conservaram e transmitiam a respeito de Jesus.
a)      Problemas ligados a abertura para os pagãos
Esta abertura tinha sido iniciada por Paulo e foi aprovada por Pedro (At 10,44-48 / 11,15-17) e confirmada pelo Concílio de Jerusalém (At 15, 7-29). Mas havia muita resistência por parte dos judeus que participavam das comunidades.
Depois da destruição de Jerusalém no ano 70, houve um distanciamento entre os cristãos vindos do judaísmo e os cristãos vindo do paganismo. Os do judaísmo achavam que os outros não eram fiéis ao Antigo Testamento e que a abertura para os pagãos iniciada por Paulo, não vinha de Jesus.
Delicadamente, Lucas dá o seu recado.
Querido Teófilo! A abertura para os pagãos foi iniciada por Jesus. Escrevo para que vocês mesmos possam verificar a solidez do ensinamento que receberam.
b)      Tensão entre ricos e pobres, dentro das comunidades vindas do paganismo
O Império Romano gerava o empobrecimento através dos tributos e do sistema escravagista. Havia pessoas muito ricas e uma imensa multidão de pobres.
Nas comunidades cristãs, os pobres começaram a ser desprezados pelos ricos (1 Cor 11,20-21).
O mesmo conflito social que marcava o Império Romano tinha entrada para dentro das comunidades e nelas era causa de muitos conflitos e confusão (Tg 2,1-7). Lucas queria ajudar as comunidades vindas do paganismo a perceber que é impossível uma pessoa manter a ideologia escravagista do império e, ao mesmo tempo, continuar a ser cristã.
Jesus valoriza a oferta da viúva pobre: Lc 21, 1-4. Ele mesmo nasceu pobre, em um curral. (Lc 2,1-7)
Os que receberam primeiro o anúncio do seu nascimento foram os pobres pastores (2, 8-20)
Jesus orante: Este é um tema muito importante no Evangelho de Lucas.
O jeito novo de Jesus se relacionar com as pessoas e a força da sua profecia tem origem na relação de intimidade que ele mantém com seu Abbá (pai). A expressão Abbá brota do mais profundo do ser de Jesus. Lembra a relação de carinho e de confiança da criança, com seus pais. Mostra que Jesus experimenta Deus como alguém muito próximo, bom, compassivo, querido.
O Evangelho de Lucas apresenta muitas vezes Jesus em atitude de oração.
LEITURA: Lc 3,21-22.
Lucas repete a afirmação de que Jesus se retirava para lugares desertos a fim de rezar (5,16) ou que Jesus foi para a montanha a fim de rezar (6,12 / 9,18 / 9,28-29).
O que esta atitude orante de Jesus nos ensina?
Lucas narra, também, que toda vez que Jesus precisava tomar uma decisão importante, Ele se colocava em oração. Ele se retirou para rezar antes de escolher os discípulos. (Lc 6, 12-16)
Ao perceber a necessidade de fazer uma avaliação sobre o que o povo estava entendendo a respeito da sua ação e pregação, Jesus reza. (9, 18-21)
Na hora da maior agonia no Getsêmani, ele reza. (22, 39-44)
E Jesus pede que façamos algo muito difícil, mas fundamental para crescermos na intimidade com Ele: “rezem por aqueles que caluniam vocês.” (6,28)
A oração foi a fonte de inspiração e força para Jesus. Depois de longas caminhadas e dos encontros com as multidões excluídas do sistema religioso do seu tempo, Jesus refaz as suas forças nas madrugadas, em silêncio, junto ao seu Abbá. (Lc 11-1)
Para Jesus, a bondade do seu Abbá já está acontecendo no mundo sob a forma de compaixão. Ele vê de perto a violência e a dor que sofre o povo oprimido pelos romanos. Mas, não perde a esperança. Na sua simplicidade e espontaneidade torna-se presença amorosa de Deus que dá alegria e harmoniza os pequenos.
A relação de Jesus com o Pai é como um grão de trigo semeado na terra, que fica despercebido por um tempo, mas que se manifestará, em seguida, como espiga granada e bonita.
Assim é a bondade de Deus. Agora, está escondida debaixo da complexa realidade da vida, porém, um dia acabará triunfando sobre o poder da morte.
É através da oração que poderemos viver os 3 pontos da Homilia do Papa Francisco:
1 – CONSERVAR A ESPERANÇA;
2 – DEIXAR-NOS SURPREENDER POR DEUS;
3 – VIVER NA ALEGRIA.
 
LEITURA: (Lc 9, 28-36)
1)      O que chama a sua atenção neste texto?
2)      Ele tem alguma relação com as palavras do Papa Francisco?
3)      Quais as experiências que temos de transfiguração?
4)      Como estas experiências nos fortalece nos momentos de dor?